Seletividade de diferenciais, o que diz a legislação? E Coordenação e Seletividade? Como fazer?

RTIEBT:

539.1 Selectividade entre dispositivos de protecção contra as sobreintensidades

 

Quando forem colocados dispositivos de protecção em série e quando a segurança ou as necessidades de exploração o justificarem, as suas características de funcionamento devem ser seleccionadas por forma a que seja colocada fora de serviço apenas a parte da instalação onde ocorrer o defeito.

Não sendo uma imposição a avaliação da seletividade mas, efetivamente um projeto, uma instalação elétrica tem na sua arquitetura de rede: “dispositivos de proteção em série” … a coordenação e seletividade é intrínseca à natureza de qualquer instalação. As condições que exigem a sua análise estarão dependente dum caderno de encargos dum projeto de execução, o qual retratará os critérios de exigência ou perfil do mesmo (p.ex. área hospitalar, indústrias de processo, datacenters… continuidade de serviço exigente). Conforme nota sublinhada no presente art.º das RTIEBT.

Software de excelência para essa avaliação, a saber:

Curves

http://new.abb.com/low-voltage/launches/selectivity/tools-support/curves

Efetivamente é uma excelente ferramenta mas, carece sempre de capacidade crítica = tempo de execução = custos de engenharia.

Não obstante, é uma ferramente de uso transversal.




Após a análise e cálculos há que transferir os setting objeto de ajuste e de harmonia ao estudo, para o efeito a ABB disponibiliza o aplicativo:

Trip Unit Simulator

http://new.abb.com/low-voltage/products/circuit-breakers/tmax/trip-unit-simulator-xt

Este aplicativo didático permitirá ao executor desenvolver uma “cábula” (formato *.pdf) que reflete o lay-out da unidade funcional: as respetivas posições e combinações dos dipswitch da unidade disparadora analógicas. Nas opções digitais há que “navegar” através do cursor ou painel touch da unidade e selecionar os parâmetros a ajustar (i1, t1, i2, t2, i3, t3, i4, t4… etc).