Icu e Ipk, que relação?

Exemplo: Barramentos ABB (AD10**) – Ipk: 30kA (Icc=15kA => Ipk=30kA)

Conclui-se:

 - Sendo o Barramento (tipo repartidor AD10**) uma estrutura completa recomenda-se especial atenção para o Ipk, com os dados que temos hoje podemos dizer efectiva/ que temos boa solução até Icc´s (trifásico simétrico valor eficaz) 15kA = 30kA Ipk (conforme factor de amortecimento "n" transposto no art.º 9.3.3. da norma de referência NP 61439);

 - Com base na mesma norma, art.º 6.2.1 Informações relativas ao CONJUNTO, item g) Característica Ipk (definida em 5.3.4), sugeria que se considerassem e se incluíssem nos cadastros dos quadros as "documentações de prova", estas minimizam o facto das informações conseguidas não constarem nos lay-outs dos produtos em questão.

Argumentário:

 Quando se dimensiona um barramento temos que analisar várias grandezas por distintos motivos:

 1º Dimensionar a barra: Ie - estipulada (IP < 30, T=25ºC) ou Ithe - correntes térmicas (IP > 30, T<50ºC) vs serviço: IbI2t - componentes térmicas e Icw - curta duração admissível (e que se relacionam: Icw = sqr I2t) ;

Relativamente à protecção as duas componentes últimas tomam principal relevo. Assim sendo, a protecção a montante, contra sobreintensidades, disjuntor ou fusível (na canalização ou à cabeça do quadro) deve actuar no valor regulamentar até 1s (Icc crista limitada com base no "poder de limitação" das protecções a montante), para que se cumpram as equações:

Nota: daí o Icw constar nos aparelhos Cat.B (que atrasam no tempo com o Icc a acontecer) e nos barramentos (barras) que lhe estão a jusante, as quais devem aguentar a tecnicamente chamada  "energia passante": I2t, sem a sua desintegração;

 Por outro lado:

 2º - Dimensionar a "estrutura" barra+apoios (tipo AD10**): Ipk (Icc crista = Icc.máx.) que está directa/ relacionada com as força ectrodinâmicas (o Sr. Laplace explica!) e associadas às correntes: Icc

Barramentos

 

Os barramentos serão normalizados, em barra de cobre electrolítico de aplicação em electrotecnia do tipo CU-ETP (99,9%), dimensionados segundo o indicado na norma IEC 61 439-1. O número de barramentos será coerente com o número de fases, neutro e condutor de protecção, em função das correntes estipuladas de emprego: Ie (em invólucro IP< 30, a temperatura < 25ºC) ou correntes térmicas: Ithe (em invólucros IP > 30 e temperatura interna do invólucro < 50ºC). Mais ainda, deverão apresentar-se as respectivas correntes de crista: Ipk, segundo o art.º 9.3.3 da mesma norma, na garantia da resistência aos esforços electrodinâmicos gerados num curto-circuito simétrico. Assim como, as correntes de curta duração admissível: Icw(1s). Exigências comuns para as estruturas de apoio aos referidos barramentos, em concreto o número e a distâncias entre estes. No que se refere ao material que os constituem estes devem ser em termoplástico autoextiguível de classificação V0, relativamente ao grau de contaminação estes devem ter no mínimo um grau de contaminação 3, para aplicações industriais, segundo a mesma norma de referência. Estas informações deve ser garantidas pelo fabricante.

 Tipo BA nas opções barras perfiladas ou BR nas opções planas, até 4000A, da ABB.